O governo dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira, 2, a criação de um grupo de resposta à propagação da varíola dos macacos no país. Especialistas em emergências e epidemiologistas foram nomeados para enfrentar a doença a nível nacional. O comunicado que anunciou a medida foi divulgado pela Casa Branca pela manhã, com a indicação, pelo presidente americano, Joe Biden, dos responsáveis por liderar a força-tarefa. A iniciativa foi divulgada no mesmo dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que os EUA são o país com mais casos de varíola dos macacos no planeta. O país norte-americano registrou 2.294 novos casos da doença nos últimos sete dias, o que elevou para 5.175 as notificações totais no território, superando assim a Espanha, que antes era a primeira colocada com 4.298 casos confirmados. O coordenador do grupo de resposta será Robert Fenton, atualmente responsável pela Agência Federal para o Gerenciamento de Emergências (FEMA), no oeste americano.

“É um dos líderes mais experimentados no gerenciamento de emergências no país”, declarou o comunicado da Casa Branca. O subdiretor da equipe será o médico Demetre Dasklalakis, especialista em saúde pública e, atualmente, diretor da divisão para a prevenção do HIV no Centro de Controle de Doenças (CDC) dos EUA. Dasklalakis também é especialista no tratamento de doenças que afetam a comunidade LGTBIA+ e supervisionou, em diversas ocasiões, o combate à doenças infecciosas no departamento de saúde de Nova York.

O governo dos EUA já traçou ações estratégicas para combater a varíola dos macacos. O país saiu na frente na imunização e já entregou 1,1 milhão de doses de vacina para estados e cidades. A formação de uma força-tarefa para combater a doença em todo o país veio logo após o governador da Califórnia, Gavin Newsom, declarar estado de emergência para acelerar os esforços no combate ao surto de varíola dos macacos. Este foi o terceiro Estado a tomar a decisão em três dias – Nova York e São Francisco também anunciaram medidas parecidas.

*Com informações da agência EFE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.