A incidência de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) mantêm tendência de queda na população em geral, mas, nas crianças, houve uma “ascensão significativa” no mês de fevereiro. A avaliação é dos pesquisadores que elaboram o Boletim Infogripe, divulgado hoje (4) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com base em dados de até 28 de fevereiro.

Segundo o estudo, dados laboratoriais preliminares sugerem que há um aumento nos casos de SRAG por vírus sincicial respiratório (VSR) na faixa etária de 0 a 4 anos, enquanto os de SARS-CoV-2 pararam de cair nas crianças de 5 a 11 anos. Esse quadro está associado aos indícios de crescimento de casos detectados no Rio de Janeiro e no Distrito Federal nas últimas três semanas, segundo os pesquisadores.

O coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes,  destaca que o risco para as crianças que não completaram a vacinação é relativamente mais alto ainda que os casos na população em geral estejam diminuindo.

“Em função disso, é importante que os responsáveis levem suas crianças para os postos de vacinação e estejam atentos à data para a segunda dose”, disse Gomes à Agência Fiocruz de Notícias. Ele acrescenta que cuidados como usar boas máscaras e evitar locais com aglomeração também podem reduzir o risco de infecção pelo VSR. “Isso também vai ajudar a proteger de outros vírus respiratórios que são causa importante de internações em crianças pequenas, como é o caso do vírus sincicial respiratório. A vacinação da população adulta diminuiu radicalmente o risco de casos graves, mas a epidemia ainda está presente”.

Os pesquisadores chamam atenção que, com o aumento de novos casos durante a disseminação da variante Ômicron, houve a maior incidência de SRAG registrada entre crianças de até 11 anos desde o início da epidemia. Esse patamar recorde de casos pode estar associado à menor cobertura vacinal dessa faixa etária, já que a vacinação para crianças de 5 a 11 anos começou apenas em janeiro.

SRAG nos estados

Na análise das informações das últimas seis semanas, considerada de longo prazo, somente o Acre apresenta sinal de crescimento na incidência da SRAG.

Em 24 unidades da federação, a tendência é de queda na incidência de SRAG: Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

O boletim divulgado hoje ressalta que pessoas de 60 anos ou mais voltaram a ser os grupos com maior incidência de casos e óbitos por SRAG, devido ao avanço da vacinação completa nas demais faixas etárias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.