No estado do Rio de Janeiro, apenas 40% das crianças de 5 a 11 anos receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19 até o momento. De um total estimado em 1,5 milhão de crianças, 614,5 mil foram levadas aos postos para iniciar a imunização. A segunda dose só foi aplicada em 214,7 mil crianças nessa faixa etária, o que equivale a 14% do total.

Entre os adolescentes de 12 a 17 anos, a adesão no estado chega a 87% (1,15 milhão) com a primeira dose e 66% (864,4 mil) com a segunda. Os dados estão disponíveis nos painéis da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Em nota, a SES informou que “segue recomendando aos municípios que façam a busca ativa das crianças aptas a receber a vacina e que ainda não receberam o imunizante”.

Na capital, faltam 24% do grupo de 5 a 11 anos tomarem a primeira dose, num total de 135,5 mil crianças que ainda não iniciaram a imunização contra a covid-19. Segundo os dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), 207,5 mil crianças nessa faixa já receberam as duas doses do esquema básico, o que equivale a 37% da população estimada para a faixa etária.

A cobertura na cidade da população total acima de 5 anos está em 98,2% com a primeira dose e 92,1% com a segunda ou dose única. A dose de reforço foi aplicada em 61,8% da população adulta. De acordo com a SMS, a exigência do passaporte vacinal para frequentar locais fechados ou eventos só deixará de valer quando essa proporção chegar a 70%.

No estado do Rio de Janeiro, a cobertura com o esquema completo com duas doses ou dose única para o público que integra a campanha está em 75%, sem contar a dose de reforço.

Vacinação nas escolas

Para ampliar a adesão infantil à vacina, a prefeitura fez uma campanha de busca ativa nas escolas, com vacinação nas unidades de ensino municipais durante as aulas, mediante autorização dos pais. A estratégia começou no dia 14 de fevereiro e pretendia alcançar 200 mil crianças em 45 dias.

Passados mais de 60 dias, a SMS não soube informar quantas crianças de 5 a 11 anos foram vacinadas nas escolas do município. Pelos dados dos painéis da prefeitura, no dia do início da campanha faltavam 248 mil tomarem a primeira dose, ou seja, desde então, receberam a primeira dose cerca de 112,5 mil crianças nas escolas e demais postos de vacinação.

Agora, a secretaria busca novas estratégias para imunizar essa faixa etária contra a covid-19.

“A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro está intensificando as ações desenvolvidas pelas Coordenações das Áreas Programáticas, responsáveis pela gestão das unidades de Atenção Primária em toda a cidade. Além de buscar constantemente novas estratégias de incentivo à vacinação infantil”, informou o órgão em nota.

O grupo de 5 a 11 anos foi incluído no Plano Nacional de Imunizações (PNI) no dia 5 de janeiro deste ano, após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso da vacina Pfizer pediátrica em 16 de dezembro.

As primeiras doses chegaram ao Brasil em 13 de janeiro e, no Rio de Janeiro, a aplicação começou no dia 17 de janeiro. O uso infantil da CoronaVac, fabricada no Brasil pelo Instituto Butantan, em São Paulo, foi aprovado pela Anvisa para a faixa entre 6 e 17 anos no dia 20 de janeiro.

Instituições científicas como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantan  já atestaram a eficácia e importância da vacinação infantil para conter a pandemia de covid-19, bem como a segurança dos imunizantes para as crianças.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.