Depois de um ano conturbado dentro de campo, o São Paulo se preparou para a temporada 2022 para evitar sofrimentos e luta contra o rebaixamento. Entretanto, o clima político da equipe passa longe o ideal. Isso porque a proposta da diretoria de mudança do estatuto havia gerado desconforto em uma parcela significativa dos torcedores e acabou sendo rejeitada pelos sócios. Além disso, as polêmicas envolvendo membros de torcidas organizadas e outros torcedores e outros bastidores do Tricolor ameaçam o planejamento do clube para uma temporada mais próxima da realidade do São Paulo. Em entrevista exclusiva ao programa Bate Pronto, da Jovem Pan, desta quarta-feira, 26, o coordenador de futebol do clube, Muricy Ramalho, falou sobre a situação política, dizendo que o departamento de futebol e os jogadores devem se preocupar com o time, e não com a política do São Paulo.

“Uma das funções minhas no CT é isso. Se preocupar com o dia a dia, não se envolver na política, que não é a minha área por exemplo. Eu me preocupo muito com os jogadores, com o treinador. […] Deixar a política para o pessoal do Morumbi, né. É lá que eles têm que resolver o problema interno da política. Aqui não, aqui temos que trabalhar. A gente não tem que estar preocupado com a política, temos que estar preocupado com o time. Essa é nossa função. Nós fomos contratados para isso: para nos preocuparmos com o time”, afirmou Muricy sobre a situação política da equipe. Além disso, o coordenador afirmou que, diante da história do clube, o São Paulo não pode se conformar em escapar do rebaixamento. “O São Paulo não pode, com a história que tem, os jogadores que tem e com o investimento que tem brigar para não cair. Isso não existe, a gente não pode se conformar com isso”, continuou Muricy.

Confira o programa desta quarta-feira, 26:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.